terça-feira, 13 de junho de 2006

Voltei

Barcelona continua a ser uma cidade magnífica. Bela, envolvente, terna e reconfortante. Foi por lá que andei e me deliciei com verdadeiros manjares, calor qb, céu azul e muito passeio. Se não fosse a poluição, que invariavelmente dá cabo de mim, do meu nariz e dos meus pulmões, diria que ali me sinto como que no paraíso. Depois fui a Montserrat, passagem obrigatória por ser, para mim, o ícone da tranquilidade e da espiritualidade, onde me encontro e reencontro com a verdade e a simplicidade. O tempo era pouco e apenas deu direito a uma rápida subida e descida de funicular, bem no meio da montanha, sentindo os cheiros e gozando o prazer de escutar o silêncio. Fantástico! E ainda fui a Sitges, uma vez mais. Terra à beira mar, bonita e agradável, com ruas e ruelas sem trânsito, janelas adornadas com vasos e todas as cores, revelando um cuidado particular, e que, desta vez, estavam acompanhadas por moinhos multicoloridos, muito simbólicos e indicativos de quem vive para lá dos vidros. Local de onde, desta vez, vim mais desagradada do que em anos anteriores porque não gostei do que vi. E já cá estou de novo para mais uns dias de trabalho contínuo e muito intenso...

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...