quarta-feira, 28 de junho de 2006

viver

A vida humana tem destas coisas fantásticas: não parar nunca! Viver é uma fantástica agitação!!!

 

segunda-feira, 26 de junho de 2006

PORTUGAL!!! PORTUGAL!!! PORTUGAL!!!

Eu cá nem sou muito nacionalista. Essa é que é essa. Mas hoje estou contente e o meu coração pulou que se fartou, sem a causa ser o prolapso. P O R T U G A L mereceu ganhar e o árbitro merecia ir de férias. O homem estava mesmo com um ar cansado e tenso e é uma brutalidade obrigá-lo a gerir tanta emoção alheia sem ter vontade. Ele estava ali contrariado e contrariou todos nós!!! Depois veio o Scolari amigo para re-tranquilizar os espíritos como bem sabe fazer. Bom... não teremos a vida facilitada no sábado, ah pois não, não! Mas uma coisa é certa, venha aquilo que vier, nada será maior do que a alma daqueles homens que se vestem de vermelho escuro e verde. Parabéns PORTUGAL!!!

 

domingo, 25 de junho de 2006

Novo Poiso

A ver vamos no que vai dar. Apeteceu-me navegar e assim nasceu o ESPAÇOS E TEMPOS. É um novo companheiro que me vai ajudar a viajar, de quando em vez e a sistematizar, de forma mais ou menos organizada, o que mais gostei e o que não vale de todo a pena.
"(...) Desta vez, será específico sobre lugares onde já fui feliz, e quem sabe se na companhia de alguém. Certamente muitos mais o terão sido e os espaços que aqui ficarão retratado serão o reavivar da memória ou o apetite para uma próxima oportunidade. Lugares que apetece rever e recordar e, quem sabe, um dia regressar. (...) Não procuro um diário de viagens mas sim eternizar lugares que, de uma forma ou de outra, foram importantes e contribuiram para a pessoa que hoje sou. (...)", terei eu escrito por lá.
O Mundo é grande, imenso e absolutamente sedutor e há poucas coisas melhores do que viajar. O meu novo poiso, irmão mais novo do África de Todos os Sonhos, que continuará no activo com o tom que lhe é próprio, vai ser construído devagar, devagarinho e sem pressas, sempre que o tempo o permitir. Viverá de imagens e de tópicos, de links e de referênias. Palavras para quê quando uma imagem por vezes vale tanto ou muito mais...
O Mundo está à minha espera e eu ansiosa por o conhecer! Espaços e Tempos vai ser também um blog sobre o meu futuro e é a ele que brindo neste momento!

sexta-feira, 23 de junho de 2006

Acordares...

Sempre pensei que se recorria a analogias quando se dizia que alguém tinha acordado transparente. Mas não... este foi o meu caso, quando me arrastei da cama para fora, depois de ter dormido apenas 4 horas. A minha cara estava com um aspecto verdadeiramente transparente... o que vale é que um banho faz maravilhas e um café remedeia...

Lamechices

E agora que voltei a lembrar, e a pensar, e a escrever... voltei a ficar lamechas. Porque será que o tempo não veio acompanhado de uma borracha gigante que nos permitisse apagar algumas recordações que, de vez em quando, se transformam em saudades, reacendendo vontades? A vida nem sempre é uma coisa fácil... ah não é não! O que vale é que o descanso está quase aí... e um bom dia de praia ainda tem capacidade para produzir efeitos surpreendentes em mim!!!! Até lá... vou lamechando nos intervalos do trabalho que aperta sempre nos últimos dias, os derradeiros. E, nos entretantos, vou-me lembrando de ti, e apenas isso, porque, se calhar, também nunca te quis esquecer, apesar de saber que o deveria fazer...

quarta-feira, 21 de junho de 2006

Há que tempos...

Há que tempos que não escrevo sobre alguém, ou para alguém, em particular. Há que tempos que não escrevo sobre sentimentos, os meus. Há que tempos que não escrevo sobre encontros e desencontros. Há que tempos que fujo de o fazer. Porquê? Porque se não escrever não penso e se não pensar não fico lamechas, chata, pieguinhas, saudosa. Hoje, durante um almoço prazeiroso, em conversa acerca de outros quinhentos, dei-me conta disso e também por isso apeteceu-me, muito, escrever isto. Simplesmente porque, às vezes, também é importante ficar assim, com todos os requisitos e mais alguns, pensar e escrever, porque é sinal que o nosso interior não ficou completamente empedrenhido desde a última vez que bateu forte, de forma intensa, arrebatada, angustiada mas feliz, por um alguém!!!

 

sábado, 17 de junho de 2006

Crianças Invisíveis

Há blogs onde é sempre bom passar porque, além de se aprender sempre qualquer coisa de novo, pode-se ler posts que abanam por dentro, mexendo com o mais profundo do que há em nós: os sentimentos. Este blog é um deles. Foi por lá que andei agora mesmo e senti-me envergonhada só por tomar consciência que, na maioria dos dias, ando excessivamente preocupada com os meus pequenos problemas, esquecendo-me das atrocidades gravíssimas que se vão cometendo impunemente por esse Mundo fora. A chamada de atenção para as Crianças Invisíveis é importantíssima porque este não é um problema localizado mas sim de todos nós porque do Mundo onde vivemos...

 

sexta-feira, 16 de junho de 2006

6ª Feira

YESSS!!! É 6ª feira! E hoje o dia correu, na generalidade bem, apesar de continuar alérgica e sem encontrar o dentista. Semana de pontes, e mais de metade de Portugal está de férias, portanto... E fazem bem, claro está.... não tivesse eu partido um dente. Quem me manda comer pastilha elástica??? Pode ser que aprenda... vamos lá ver...

Mas hoje é 6ª feira e vou petiscar! Em casa, é verdade, mas vai ser petisco do mais magnífico que pode haver. E vou fazer sangria de vinho branco com pêssego, framboesas e folhas de hortelã. Está decidido!!! Ai... devia mesmo ter um restaurante... ou se calhar é melhor não para não ser a causa do prejuízo... J

 

ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E TURISMO AMBIENTAIS

A SETA vai organizar o seu 1º EETA - Encontro de Educação e Turismo Ambientais, de 15 a 17 de Setembro de 2006 em Arganil.

O seu principal objectivo é o desenvolvimento da Educação e do Turismo Ambientais, contribuindo para a promoção de um desenvolvimento sustentável e a Conservação da Natureza.

Este encontro dirige-se sobretudo aos agentes envolvidos no processo educativo, no processo do Turismo sustentável e na Conservação da Natureza, e que se encontrem integrados em Escolas, Áreas Protegidas, Autarquias e Operadores de Turismo Ambiental Sustentável.

Considerar-se-ão temas transversais as questões relativas às alterações climáticas, ao desenvolvimento regional integrado de raíz endógena e a aplicabilidade dos processos no âmbito da Lusofonia.

Segue-se uma programação de que fará parte uma Visita de Estudo (na região de Arganil), Conferências / Debate, apresentações de experiências positivas e Trabalho de Grupo.

As inscrições posteriores a 27 de Julho ficarão dependentes do número de vagas existentes.

Fernando Louro Alves - Presidente

quinta-feira, 15 de junho de 2006

Petiscar

É bom petiscar e é muito melhor preparar os petiscos que nos vão deliciar. É engraçado que quase tudo o que dá prazer nesta vida demora mais tempo a preparar do que a usufruir. E isso é muito magnífico. A preparação tem um sabor muito especial. Em tudo! É bom ir para a cozinha e, sem ter ideia do que vai ser o jantar, começar a criar: identificar os alimentos e combinar os paladares, nem que seja de forma imaginária para mais tarde ser testada.
Sempre disse a mim mesma, e a todos os outros, que beringela era um daqueles legumes que, além de feios, cheiravam mal e sabiam pior. A igualar só mesmo a alcachofra, pensava eu. Bem, este vegetal ainda não me convenceu mas a beringela é magnificamente saborosa e actualmente não há semana em que não a compre. Dá para tudo e, por ter um ligeiro sabor apimentado, faz maravilhas se temperada com alho picado e orégãos, humedecida com azeite e cozinhada no forno. Depois, com queijo derretido por cima... é a loucura! Eu que não gostava de beringela porque tinha uma imensa resistência, acho que ao aspecto estranho, hoje sou uma beringelodependente. Já sei que o termo não é bonito mas a verdade é mesmo essa.
É bom, muito bom mesmo criar e recriar pratos, experimentar novos paladares ou conjugar alguns dos que já nos são familiares. Comer é um prazer muito grande e é uma infelicidade que inconscientemente pense que tenho de me conter, sem o conseguir. O resultado é estar mais “preenchida” e logo agora que estamos a chegar ao Verão... Mas também é muito bom cozinhar. Se calhar devia mesmo era ter um restaurante!!!

Sonhos de banana de São Tomé e Príncipe

Ingredientes:

220 gramas de bananas sem casca (de qualquer tipo); 25 gramas de açúcar; 120 gramas de farinha de trigo; 100 ml de leite; 1 ovo; açúcar, canela e óleo para fritar.

Como preparar:

Misturar numa bacia a farinha, o açúcar, o leite e o ovo. Deixar repousar enquanto amassa as bananas com um garfo. Junte as bananas à massa e mexer bem. Depois de amanssado, fazer pequenas bolas com a massa e fritar. Depois de fritas, polvilhar com açúcar e canela.

quarta-feira, 14 de junho de 2006

Parabéns à MELHOR Mãe do Mundo

Hoje é um dia mais do que importante e especial: faz anos a MELHOR MÃE do Mundo. A mais atenta, a mais presente, a mais compreensiva, a mais terna de todas.
Perdoar-me-ão todas as outras mães, mas por certo compreendem o que digo.
Parabéns Mã e um dia SUPER feliz!!! Connosco à volta, claro!

Convite, lançamento de livro

22 de Junho (Quinta-feira), 18h.

Fundação Cidade de Lisboa, Campo Grande, n.380 (ao lado da Universidade Lusófona).

 

A sessão de lançamento do livro tem a cobertura e apoio da RDP-África e conta com apresentações musicais ao vivo de vários grupos de música africana.

Entrada Livre

 

“O Processo de Transição para o Multipartidarismo em Angola”, Nuno Vidal & Justino Pinto de Andrade (eds. & orgs.)

Prefácio de Patrick Chabal

Participações: António Burity da Silva, José Manuel Imbamba, José Manuel Pureza, Augusto Rogério Leitão, Patrick Chabal,

Douglas Wheeler, Almerindo Jaka Jamba, Ruy Duarte de Carvalho, João Batista Lukombo Nzatuzola, Alberto Oliveira Pinto,

Vicente Pinto de Andrade, Christine Messiant, Michel Cahen, Filomeno Vieira Lopes, Jean-Michel Mabeko-Tali, Benjamim Castello, Fernando Pacheco, João Paulo N´Ganga, Jorge Eurico, Mónica Rafael, Aline Afonso Pereira, Cristina Salvador, Cristina Rodrigues, Gerald Bender, Paulo Jorge, Arvind Ganesan, Manuel Paulo, Carlos Feijó, Bornito de Sousa, Abel Chivukuvuku, Luís do Nascimento, Lindo Bernardo Tito

 

Apoios: Programa Lusitânia; Fundação para a Ciência e a Tecnologia (Ministério da Ciência e do Ensino Superior); Gabinete de Relações Internacionais da Ciência e do Ensino Superior (Ministério da Ciência e do Ensino Superior); Instituto Camões (Ministério dos Negócios Estrangeiros); Netherlands Institute for Southern Africa – NIZA; RDP-África e Casa de Angola em Portugal.

O livro estará à venda na entrada do auditório da Fundação Cidade de Lisboa a partir das 17.00h

terça-feira, 13 de junho de 2006

Voltei

Barcelona continua a ser uma cidade magnífica. Bela, envolvente, terna e reconfortante. Foi por lá que andei e me deliciei com verdadeiros manjares, calor qb, céu azul e muito passeio. Se não fosse a poluição, que invariavelmente dá cabo de mim, do meu nariz e dos meus pulmões, diria que ali me sinto como que no paraíso. Depois fui a Montserrat, passagem obrigatória por ser, para mim, o ícone da tranquilidade e da espiritualidade, onde me encontro e reencontro com a verdade e a simplicidade. O tempo era pouco e apenas deu direito a uma rápida subida e descida de funicular, bem no meio da montanha, sentindo os cheiros e gozando o prazer de escutar o silêncio. Fantástico! E ainda fui a Sitges, uma vez mais. Terra à beira mar, bonita e agradável, com ruas e ruelas sem trânsito, janelas adornadas com vasos e todas as cores, revelando um cuidado particular, e que, desta vez, estavam acompanhadas por moinhos multicoloridos, muito simbólicos e indicativos de quem vive para lá dos vidros. Local de onde, desta vez, vim mais desagradada do que em anos anteriores porque não gostei do que vi. E já cá estou de novo para mais uns dias de trabalho contínuo e muito intenso...

domingo, 4 de junho de 2006

Festas e festarolas

Oh vida vidinha...! Hoje que quero, e preciso... e mais do que tudo desejo dormir bem, por pouco que seja, porque amanhã me espera mais um dia de trabalho duro com muitos quilómetros à mistura, começaram as “festas do calor” na rua, com bailarico ao som de “música popular” tão alta que na minha casa se distingue a letra das canções e quase me dá vontade de ir para a varanda bater palmas, cantar e dançar... Oh safa... a minha vida!!! Mas será que lá porque uns se querem divertir, os que têm de trabalhar não podem? E dormir... muito menos??? Esta brincadeira da festarola popular ocorre por estes lados todos os anos... E nem vale a pena ligar para a Polícia, apesar de já serem 00h15... qual lei do ruído qual o quê...!!!

sábado, 3 de junho de 2006

Não tenho parado de...

TRABALHAR!!! E estou TÃO CANSADA... E o trabalho continua... o que é MUITO BOM!!! Agora só queria ter tempo para dormir 8 horas seguidinhas... Mas ainda não é desta!

quinta-feira, 1 de junho de 2006

Um... SUPER DIA!

Pois é, a Mana já se “desbroncou”… é verdade... hoje é um daqueles dias que, quando era jovem mocinha, achava que era o mais importante do ano por ser verdadeiramente especial. Era o “Meu Dia”!

Há pessoas que nasceram crianças e que crianças permanecem para a vida. E eu sou uma delas... só que agora a magia perdeu-se um pouco e a ideia do dia especial já não está tão acesa em mim. Hoje é o dia que me faz sentir que estou verdadeiramente um ano mais “amadurecida”??? Coisas da vida... A verdade é que a partir dos 35 já não se devia fazer mais anos e eu já tenho mais dois bons pares em cima...!!!

Bom... mas pensando bem, se eu, a minha amiga Graça de Braga, de quem já não tenho notícias há muitos anos mas de quem nunca me esqueço, o meu amigo JM, “chupa-chupa” para nós, a M. Monroe e outras peças que tais, não tivéssemos nascido no Dia Mundial da Criança, certamente o Mundo não seria o mesmo. Porque se não tivéssemos nascido, teríamos de ser inventados!!! Cada um no seu estilo... enfim... mas, modéstia à parte, somos bons exemplares!!!

A todas as crianças, com idade de ser criança e às que já passaram essa fase, e a todos os “colegas de dia”... os meus PARABÉNS! E que tenham um super dia!

 

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...