sexta-feira, 5 de maio de 2006

Estados de Alma

A verdade é que por mais cansada que me sinta, sempre que páro para contemplar o que me rodeia, vejo que o céu está azul, iluminado por um sol mais do que radioso, o mar ao fundo parece-me calmo e a árvore que me faz companhia todos os dias ali permance serena, transmitindo-me bons sentimentos, sem jamais me abandonar. É impossível não ficar mais tranquila.
Felizmente, os meus estados menos felizes não passam de cansaço e para isso, uma boa noite de sono é mais do que reconfortante e compensadora. Hoje continuo com olheiras, o que é um indício do muito cansaço que me acompanha, e os olhos continuam também ressentidos comigo, desta vez por causa do esforço a que os tenho submetido... mas a alma está sem dúvida bem mais descontraída.
E isso... vale quase tudo!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...