quarta-feira, 19 de abril de 2006

Gostos e Desgostos em Terras de Vera Cruz












O que é que eu gostei no Brasil? O calor; a comida; os pães de queijo, a carne servida nos rodízios, a fruta; os pequenos almoços do Bourbon; os jantares do Bourbon de Curitiba; o atendimento em qualquer um dos Bourbon em que estive (Curitiba e Joinville); o almoço de “barreado” em Morretes; o passeio de comboio pela Serra do Mar; as vilas de Antonina e de Morretes; a arquitectura colonial; a simpatia das pessoas em Joinville; a natureza.

O que eu NÃO gostei no Brasil? A incompetência de muitos e a desorganização de quase todos; a expressão “oi”, utilizada não como cumprimento mas como interjeição sempre que não percebem o que dizemos; a insegurança, os tiros e as perseguições a meio da noite em Curitiba que não me deixaram dormir; o suposto hotel de luxo e SPA “Costão do Santinho” em Florianópolis, que se faz pagar como tal mas que é certamente uma das vergonhas nacionais pelo mau atendimento, falta de limpeza nos quartos (que até tenho vergonha de dizer preço por quarto e por noite), com direito a incontáveis bichos de verga a picar as zonas do corpo descobertas e a buracos na zona do ar condicionado, que ao fim de muitas queixas são tapados com cartão, deficiências nas casas de banho dos quartos que ficam literalmente inundadas com um banho de jacuzzi, apesar de estarem preparadas para isso, incapacidade de resolução de problemas por parte dos funcionários, comida estragada, salas de SPA fechadas, vá-se lá saber porquê, falta de segurança na zona internacional.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...