sexta-feira, 13 de janeiro de 2006

É a vida

De vez em quando, e para variar um pouco da rotina tranquila do dia a dia, a vida torna-se numa tremenda complicação que parece não ter fim. É temporário e passageiro porque, se fosse sempre assim, certamente teria a sensação de viver em estado de loucura permanente, o que seria no mínimo muito pouco agradável. E contudo, viver é muito bom. Há mesmo quem diga que são estas complicações que dão colorido e paladar aos outros momentos mais tranquilos. Para ser franca, preferia viver a um ritmo mais estável, mas esta é a vida que tenho. Vá-se lá saber porquê. Um dia, quando estiver tranquila, ainda hei-de reflectir sobre os porquês.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...