quarta-feira, 19 de outubro de 2005

Revelações

Os dias de revelações de factos, de histórias ou de invenções são estranhos, por sermos nós a fazê-las ou simplesmente por sermos o alvo delas. A sensação é invariavelmente de constrangimento por sabermos que estamos a confrontar alguém com situações que não seria suposto serem-se conhecidas e exteriorizadas. Ou porque, por se tratar das nossas vidas, o coração fica como se estivesse partido em duas partes, uma seguindo com atenção e a outra recusando acreditar, ao ouvirmos um conjunto de palavras ser proferido, articuladas em frases e procurando fazer sentido. É angustiante, desconfortável e desconsolante. Mas, às vezes, tem de ser. Nem que seja para continuarmos a viver, sempre em frente e de cabeça erguida porque uma coisa que nunca nos podem tirar é a DIGNIDADE!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...