segunda-feira, 5 de setembro de 2005

Esquecer

Como é possível esquecer alguém quando temos o seu cheiro entranhado na pele, no cabelo, na roupa? Quando por mais que o queiramos afastar do pensamento, fechando, nem que seja temporariamente, as gavetas da memória, ele nos persegue porque ficou preso em todos os nossos sentidos: o cheiro que nos encantou, nos canais olfativos; a imagem que nos deliciou, nas pupilas; a voz e as expressões mais típicas que nos faziam rir, nos tímpanos; o doce paladar, nas papilas gustativas; a pressão apaixonada dos dedos, na pele. É difícil esquecer quem se amou, diria mesmo que, quanto mais o tempo passa, mais penso que é impossível esquecer quem se amou verdadeiramente... Não quem se fingiu amar porque esses são difíceis de recordar...

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...