segunda-feira, 22 de agosto de 2005

SOCOOOORRO... Estamos a ARDER!!!

Dá vontade de gritar para ver se alguém dá atenção. Portugal, aquele pequeno país com pretensões a grande, quase sempre esquecido no meio do mundo desenvolvido, e que faz fronteira com o magnífico Oceano Atlântico, está literalmente a arder. Ao ritmo que as chamas avançam, chegando já às grandes cidades, queimando e destruindo tudo por onde passam por ser impiedoso, não tarda desaparecemos. Diziam que Portugal afundaria e fizeram-se piadas sem fim, com direito a cartoons, retratando-nos a afundar no oceano. Mas afinal, enganaram-se duplamente: o tema não requer brincadeira nem piadinhas porque é mesmo muito sério; o problema não está no facto de não sabermos nadar mas sim na dificuldade que temos em nos precaver contra os fogos. Ou melhor, em termos vontade de criar soluções no “ante”. Estamos prestes a desaparecer, literalmente queimados. E parece que ninguém se preocupa com a situação. É obviamente chocante, revoltante, desesperante e exasperante. Dá vontade de gritar sem parar porque, com certeza, alguém nos haverá de ouvir, se não for por cá, será algures. Alguém que faça alguma coisa: limpem as matas e as florestas, façam a manutenção dos caminhos florestais, criem postos de trabalho de guardas e vigias, melhorem as condições aos bombeiros, esses homens que são uns heróis e que fazem muito para salvar pouco e que são os primeiros a ser injustamente condenados. Mas sobretudo, invistam na educação ambiental. Pedagogia precisa-se!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...