quarta-feira, 15 de junho de 2005

Hora de relógio

Quando se combinava qualquer coisa em STP era costume seguir-se dois princípios:

  1. Um atraso dentro da normalidade podia ir até 1 hora, pelo que era socialmente considerado como regra que esperássemos até que os nossos amigos chegassem, com a calma e a tranquilidade que a paisagem transmitia e o espírito “leve leve só” dos santomenses, que nós fomos assimilando com o tempo e que, após o regresso, tanta falta nos faz. O encontro era sempre marcado com a indicação de “hora de relógio”, que é como quem diz “às 17 horas, sem falta, e com a possibilidade de te atrasares até às 18, sem que eu esteja com a cara número 3 quando apareceres”.
  2. Se o encontro desse lugar a espera, o mais pontual acabava sempre por já estar acompanhado por alguém, não com o objectivo imediato e exteriorizado de “engatar” quem quer que fosse, mas porque todos se acabavam por conhecer e era impossível frequentarmos um bar, café, restaurante ou local público sem que aparecesse alguém que conhecêssemos. E o encontro com os amigos tornava-se naturalmente numa reunião mais alargada.

Pois hoje ia jantar, pensava eu, com alguns amigos que conheci por terras paradisíacas. Mas foi adiado para amanhã por conveniência de mais do que um dos convivas, um deles foi já avisando que só chega mais para o tarde. E amanhã lá vamos nós, confraternizar e relembrar a “hora de relógio” e que, pensando bem, depois de regressarmos, devia ser antes “dia de calendário”.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...