segunda-feira, 13 de junho de 2005

Ódios de Estimação - 2

Os ódios de estimação são um dos factores que contribuem, de forma determinante apesar de inconsciente, para a sanidade social da maioria dos mortais. É que enquanto se entretêm a observar, comentar em grupo e recriar o que uns e outros foram, são ou serão, mesmo que nunca o venham a ser ou tenham sido, desviam a atenção sobre si mesmos, pensando estar safos dos olhares alheios e das consequentes más línguas, que lhes estão associadas de forma infalível. Além de tudo o mais, encerram uma função de sociabilidade importantíssima, já que somos obrigados a interagir uns com os outros para falar e destruir a vida alheia, mas também quando contactamos com o objecto da nossa raiva. E, no final, dá vontade de espreguiçar pela sensação de missão cumprida. Afinal, tudo isto dá muito trabalho, cansa e desgasta, por isso no final da sessão merecemos o descanso do guerreiro após uma luta mortífera porque desfizemos o adversário, mesmo que ele não nos tenha feito nada de mal. Não gostamos dele e isso é o suficiente.

Mas... quando nos sentimos como o ódio de estimação de alguém, percebemos o quão desconfortável se pode tornar esta cadeia de perseguições verbalizadas que podem mesmo chegar a destruir a vida mental dos mais sãos, a vida emocional dos mais estáveis, a vida profissional dos mais competentes. Tudo se inventa e tudo se relata com pormenores mórbidos e sádicos, procurando evidenciar realismo e uma veracidade impossível de duvidar. Os olhos dos ouvintes abrem-se incrédulos e as bocas emitem sons como “ahhhhh”, “ohhhh”, “arghhhh” seguidos de pausas complementadas por caretas que traduzem desaprovação para comportamentos tão impróprios. A avaliação que é feita resume-se a um “pois é... coitada(o), o que lhe havia de acontecer...”. E aquele terrível sentimento, que não se deve ter por ninguém, de pena cresce a um ritmo galopante por todos os que se dão connosco, sem que possamos sequer perceber porquê. Agora, quem relata valoriza-se aos olhos dos demais porque supostamente sabe, presenciou, viveu situações absolutamente confrangedoras daquele serzinho perdido, e partilha-as em tom de um secretismo delicioso.

De génios passamos a incompetentes, de santos a diabos, de boas pessoas a destruidores de tudo o que nos aparece pela frente. Pior, apesar de terem tido a melhor das impressões a nosso respeito, quando nos encontram abraçam-nos como se tivéssemos estado à beira da perdição ou da morte, mexem-nos nos braços com movimentos ascendentes e descendentes e, com o melhor sorriso que conseguem, tentando demonstrar compaixão, dizem “Afinal estás com bom aspecto...”. E uma pessoa, com cara de parva, só consegue pensar “Safa, mas onde pensa ele(a) que eu andei? Na travessia do deserto ou num mar infestado de tubarões? OU será que a última história que lhe chegou foi ter virado drogada ou alcoólica sem recuperação possível, prostituta ou assassina?”. Dá vontade de gritar e fugir mas, ao contrário, sai um sorriso amarelo que reforça o desconforto e dá as maiores certezas, que na verdade são incertas, ao interlocutor.

E ao juntarmos 2 mais 2, a estória sai direitinha como uma folha de jornal. A clarividência alheia é algo de transcendente, sobretudo a dos pobres de espírito. Porque não se ocupam em algo verdadeiramente útil, em vez de criarem e recriarem argumentos, inventarem feitos, juntarem peças que não têm a menor relação????

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...