sábado, 7 de maio de 2005

Revitalização semanal

Há ainda, neste mundo desenvolvido e diversificado, locais agradáveis, porque tradicionais, onde é possível “ir às compras” e escolher a fruta e os legumes, conversar com os vendedores e ouvir as histórias que têm para nos contar. A sensação que, cada vez mais, as “grandes superfícies” me transmitem é de impessoalidade, frieza, desconforto. As feiras e os mercados locais tornam-se prazeirosos porque ainda nos permitem contactar com o produtor, aquele a quem gostamos de chamar com carinho de “saloio”, e ouvir as histórias semanais da vida deles. Quando numa semana não os encontramos perguntamos por eles aos vizinhos e preocupamo-nos ao percebermos que estão doentes, foram hospitalizados ou algo de pior aconteceu com eles ou com familiares. É como se tivessem passado a fazer um pouco parte de nós e nós da vida deles. Este sentido solidário e comunitário revela-se fantástico porque, quando não aparecemos num fim de semana, somos assaltados com perguntas na próxima ida. Melhor, ali ainda nos oferecem um ramo de coentros ou de hortelã ou um ovo porque não fica no cesto a fazer nada sozinho. Ir às compras tornou-se, para mim, numa prática de lazer ao fim de semana porque quando vou ao “meu mercado”, de rua e envolto por vegetação, revitalizo-me para a semana.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...