sábado, 21 de maio de 2005

Nada do que foi volta - V

- “Vamos ficar juntos, juntinhos, vem para aqui, ao pé de mim. Vá lá, não te faças esquisita e diz que sim. Diz, diz, diz... vá lá. Não te lembras de tudo o que já vivemos juntos? Não te apetece de novo?” – e Abel estendeu a mão em direcção a Vera, fechando os olhos como se quisesse transformar um sonho em realidade.

Vera não se mexeu um milímetro e olhava-o incrédula. Fora Abel que errara há uns tempos atrás, que faltara à honestidade prometida, que a enganara naquela terra de ninguém, umas portas à frente daquela em que coabitavam. E agora quase se fazia de vítima por estarem separados. Não, ela não queria voltar para ele desta forma. Era uma incongruência porque, além de tudo o mais, arriscava-se a que, após um fugaz envolvimento, ele a deixasse de novo. E Vera aprendera qualquer coisa com ele: apenas pisar o solo que se conhece bem. O risco era, para ela, demasiado grande e o custo a pagar por um entusiasmo incomportavelmente alto.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...