sexta-feira, 22 de abril de 2005

Cumplicidades

O encontro decorreu em clima de normalidade aparente, aliás como era habitual. Não houve palavras amargas nem desgostosas. Falaram de tudo e de nada, evitando o encontro dos olhares, que quando acontecia os traía. A conversa fluía naturalmente, falando dos problemas do dia-a-dia como se estivessem estado juntos horas antes. Foi assim desde sempre, quando se encontraram pela primeira numas das Africas pelas quais os dois passaram, mas desta vez na mesma altura. Apesar da cumplicidade e da intimidade, havia temas sensíveis que não só não eram abordados como evitados: os sentimentos, os desejos, as expectativas, que ficavam na esfera do entendimento subjacente.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...