domingo, 6 de fevereiro de 2005

A tradição já não é o que era

Considerações sobre uma ida ao cinema (ou OH TEMPO, VOLTA PARA TRÁS)

Os rituais também se transformam, mudam, alteram-se com o passar do tempo. É pena que, nem sempre, se consiga conciliar a modernidade com a tradição. E ir ao cinema já não é o que era, e é pena! Para mim, ir ao cinema é um ritual: a sala cheia de gente que decide sair do conforto da sua casa, mesmo nos dias de frio e temporal, para se sentar numa sala grande, escura, com um écran imenso onde são projectadas imagens que relatam uma história, que não é a nossa mas que, enquanto a presenciamos, temos a sensação que é. Pelo menos um bocadinho. É fantástico chegarmos a horas ao cinema e termos o privilégio de assistir a excertos de outros filmes, que estão ou estarão em breve disponíveis para os vivermos, e para os quais a nossa sensibilidade de aproxima mais ou menos, em função dos temas. E depois, o filme começa com a apresentação, acompanhado de música normalmente adequada ao que vamos ver, e recomeçamos a viver situações protagonizadas por certos actores. Vibramos, sentimos, sofremos, rimos, apaixonamo-nos e desiludimo-nos com eles, e sem nos darmos conta encaixamo-nos na história com uma grande facilidade. Ou costumávamos fazer isso quando a ida ao cinema era um ritual vivido e sentido.
Depois chegaram as pipocas, as coca-colas e outros consumíveis, permitidos e incentivados, por serem uma nova forma de rentabilizar a sessão. A tradicional tablete de chocolate, saborosa e silenciosa, foi substituída por barulhos incessantes, mastigados e sorvidos, acompanhados por mexidelas no balde. É verdade. Como se o cheiro nauseabundo não fosse, só por si, suficiente. Mas a modernice (não modernidade) fez com que o desrespeito aumentasse e passou a comentar-se o filme em voz alta, trocando-se impressões acerca dos actores e até da própria história, como se o realizador nos tivesse pedido. A nós não, a eles! Porque eu sou daquelas para quem o cinema é ainda um ritual, dou comigo, durante uma boa parte do filme, a fazer “shiuuuuuuu” para os vizinhos do lado e de trás. Pior um pouco, a banalização da troca de mensagens por telemóvel imperou e é comum sermos desconcentrados da história por um vizinho que recebe ou envia sms, fazendo emitir uma luz verde, laranja ou amarela, realçada pelo escuro. E ainda, para agravar, há quem já não se contente com o envio das tais mensagens, supostamente rápidas e eficazes, falando mesmo, conversando sobre o que se está a ver e onde se vai logo após o filme.
Parece inacreditável mas é verdade. Uma ida ao cinema pode chegar mesmo a ser uma aventura quando, no meio da excitação provocada por um sms recebido ou até por uma cena do filme, recebemos pontapés nas costas porque o espaço entre filas nunca chega a ser suficiente para que não sejamos incomodados e possamos integrar-nos no que estamos e queremos ver. Ir ao cinema não é fácil...

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...