domingo, 13 de fevereiro de 2005

O Boato

O boato é a forma mais simples de se denegrir a imagem de alguém e é a ocupação predilecta de um grande número de pessoas que, infelizmente, não têm mais nada de interessante com o que se ocupar. Estes, que se julgam intocáveis, divertem-se alterando histórias, transformando situações, colorindo pormenores, encontrando elos de ligação entre pessoas que não têm nada a ver umas com as outras, ou mesmo tendo não viveram as coisas da forma como se ouve e relata. Enfim, à falta de um bobo natural, arranja-se um, fabricando-o. Pior um pouco, quando à história se junta uma boa pitada de humor, romance, tragédia ou drama, tornando-a de tal forma aliciante que, contando-a às pessoas certas, o resultado da difusão generalizada é garantido.
Hoje pensei seriamente nisto a propósito de uma discussão, num e-Grupo de debates, à volta de uma denúncia nominal com gravidade qb e sem que fossem apresentadas provas. Nada que me dissesse respeito, mas a propósito de um amigo, que pode, ou não, estar envolvido em processos menos claros. Foi acusado assim, directamente, sem quaisquer subtilezas e sem provas. Tudo ficou no ar, lá bem no espaço, ou não fossemos nós todos cibernautas navegantes, e muitas vezes, nem sabemos bem por onde. Na verdade não sei quem tem razão, mas eticamente creio que não será muito correcto acusarmos publicamente alguém de ter feito isto ou aquilo, sem provar, sem indícios. É o mesmo que amanhã eu seja acusada de andar a saltar de telhado em telhado, em prédios de 10 andares, com umas plumas lilazes na cabeça, a cantar "I can get no satisfaction". Conhecendo-me, quem acreditaria???

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...