terça-feira, 1 de fevereiro de 2005

Dependências

Há dependências de todas e cores e feitios, das mais diversas formas e dimensões, que se adaptam melhor ou pior ao estilo de cada um. É uma tarefa difícil fazer com que algumas pessoas as reconheçam como suas, sobretudo quando toca a temas sensíveis. As mais comuns são já corriqueiras de tão banais - o tabaco, o café, as pastilhas elásticas, os chocolates. Depois aparecem outras, que também estão vulgarizadas, como o álcool e as drogas - por todos os cantinhos se vende e se consome. Principalmente no que respeita as estas últimas, os riscos são infinitos e as consequências devastadoras. Não é fácil reconhecê-las como nossas, pelo estigma que carregam, mas todos conhecemos alguém que já passou ou está a passar por uma delas, ou até pelas duas, e tendencialmente escondemos o facto. Há a dependência do trabalho, que nos retira qualidade de vida, começando por ser um refúgio.
Mas há outro tipo de dependências, que chegam a ser doença, e que representam um tabu, do ponto de vista social - pouco se fala delas e quando se fala, é com 30.000 cuidados. Nesta categoria inclui-se o sexo, puro e duro, sem ligação, sem sentimentos e sem afecto. E normalmente não pensamos desta forma, mas há quem seja sexodependente, quem necessite de sexo para viver como outros precisam de água, de alimento ou de um sono descansado. Há pessoas que fazem do prazer físico, de natureza sexual, a sua forma de vida. Não, não falo de quem faz disso profissão, porque esses são casos de necessidade e não de dependência. Falo dos que vêem a vida exclusivamente com base na dimensão hedonista ligada ao prazer físico-sexual, os que não conseguem entender que os outros tenham outra forma de o encarar, aqueles que concebem o acto sexual com um sentido meramente utilitarista. Estes que, sem sexo, se sentem absoluta e profundamente derreados, ultrapassados, menosprezados e infelizes.
Mas se para as outras dependências existe cura, com certeza que para esta também haverá, só que para isso, será com certeza necessário um reconhecimento prévio, pelo próprio. E isso não é, de facto, fácil de conseguir.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...