quarta-feira, 9 de fevereiro de 2005

Conselho

Nem sabia porque insistia em regressar a alguns locais, dos quais guardava a mais terna das recordações. África era o continente que a impelia ao regresso sucessivo. Sentia que a vida renascia com o calor, a humidade, as paisagens densas e coloridas, onde as tonalidades marcavam toda a diferença - o azul do mar, e por vezes do céu, contrastando com o verde da vegetação, o castanho da terra, a diversidade de tons que os frutos apresentavam. África é um continente fantástico - pensava, e reforçando com a expressão pouco correcta, mas que considerava ser o superlativo da beleza - é um continente muito magnífico.
Talvez fosse um ímpeto instintivo, porque sentia que algo a chamava, apelando ao regresso, mas não sabia explicar o que era. Sempre que se lembrava de alguns locais - ruas, casas, pontos de referência sem a menor importância aparente, praias, caminhos florestais - escutava, a ressoar-lhe aos ouvidos, a mesma frase, que alguém, certo dia, lhe tinha dito:
- Não voltes ao local onde foste feliz
Na altura, não chegou a perceber o sentido do conselho - afinal os locais onde fomos felizes deixaram-nos boas recordações e o regresso torna-se mais saboroso - pensava. Mas agora tudo era mais claro na sua cabeça - as boas recordações devem ficar assim mesmo, como deliciosas, ternas, doces, eternas. Com o regresso ao local onde se foi feliz, nada será igual, somos tentados a incorrer em comparações e o resultado não será brilhante.
As vivências, a intensidade do sentir, as paixões, a forma como se olha para os outros e como se contacta com a natureza, alteram-se e o risco de perdermos uma parte da beleza, que antes lhe encontrámos, é grande. A partida será muito mais dolorosa e a vontade de, um dia, regressar é substituída por um mar de contradições difíceis de explicar. A felicidade anterior e as boas recordações acabam por ser esbatidas até desaparecerem.
E assim consciente, começou a interiorizar a ideia - Não voltes ao local onde foste feliz.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...