domingo, 30 de janeiro de 2005

Quando...?!

Um dia... hei-de dançar com tamanha vontade que conseguirei voar junto às estrelas, passar bem junto da lua e ver as duas faces que a compõem quando está cheia, redonda, feliz. Hei-de sentir a luz e ficarei tão iluminada e brilhante que todos à minha volta sorrirão, por não haver sombras, nem medos porque os papões e os fantasmas já foram dormir para outro local qualquer, bem longe de mim. Hei-de olhar o futuro de frente com a alegria dos dias solarengos, encantados pela música e pelos cânticos entoados por vozes celestiais. Hei-de sentir a paz tomar conta de mim, na envolvência do teu abraço terno, quente, protector. E aí, nesse dia, não sei quando, dir-te-ei: hoje atingi o estádio supremo da felicidade.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...