domingo, 16 de janeiro de 2005

Pôr do Sol

Não se cansava de observar o céu que lhe transmitia boas sensações, principalmente à medida que o final do dia se aproximava. Naquela tarde estava pintado por uma mistura de tonalidades fortes, apesar do frio que fazia, alternando entre o rosa forte e o azul intenso. Cores tão diferentes do pôr do sol africano, pensou, mas igualmente belas, sedutoras, inspiradoras, reconfortantes.
Adivinhava-se um céu estrelado, iluminado por uma lua tímida, em quarto crescente, que apelava à ternura e envolvência de um toque, uma carícia, um abraço, um beijo. Também de um pensamento, de um desejo esperado e de um encontro aguardado. Sonhado.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...