terça-feira, 18 de janeiro de 2005

Os Meus Queridos ex-Alunos

Tenho de confessar que me agrada muito receber notícias dos meus ex-alunos, sejam eles portugueses ou africanos, vivam no continente ou nas ilhas (Portugal), em África ou noutro qualquer local do Mundo. É verdade, muitos estão hoje espalhados por outros locais - Cuba, Brasil, Argélia, Espanha, França. E, quando abro o mail e vejo que me escreveram - para saber como estou, para contar os sucessos que têm tido e para pedirem conselhos que possam acalmar, de alguma forma, as angústias que sentem - não posso deixar de sentir orgulho e alegria. Lembraram-se de mim e, de uma maneira ou de outra, entendem-me como uma referência, gostaram de mim e, depois de ter passado a fase formativa na qual intervi, procuram manter o contacto, sem esperar nada em troca, a não ser algumas palavras de incentivo que revelem interesse pelo seu percurso e pelas suas vidas. Na verdade, tratam-me de forma carinhosa e afectiva, reclamando um pouco de atenção. O que me agrada verdadeiramente é sentir que gostam de mim.
Este post é dedicado aos meus Queridos ex-Alunos, esperando que continuem como até aqui, a progredir, a amadurecer, a crescer, a ultrapassar dificuldades com sabedoria e muita preserverança, sem desanimarem, com a consciência de que podem fazer mais e melhor. Sempre, porque estão no caminho certo.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...