segunda-feira, 24 de janeiro de 2005

Há 1 ano

Há 1 ano que não vou a África. Lembrei-me disso, hoje por acaso, talvez pelo frio que sinto, pelo dia triste que esteve - o céu cinzento, a neblina, as temperaturas pouco confortáveis, que me fizeram ir a correr comprar lenha para a lareira. É verdade, neste ano ainda não tinha tido o prazer de a acender e de ficar a olhar as labaredas cor de fogo, de sentir o bafo quente que de lá sai e de ouvir a lenha a crepitar, à medida que vai ardendo. É uma magnífica sensação, esta que o inverno permite, transformando minutos de prazer num conforto infinito.
E fui pensando: tenho de preparar, para a festa de anos de logo à noite, a mousse de chocolate com bocadinhos de toblerone, que, em África, aprendi a fazer com um amigo, que primava pela criatividade gastronómica. A receita foi improvizada mas saiu tão bem que, por cá, já não querem a minha mousse de chocolate sem esse pequeno grande pormenor, que a torna tão diferente e tão especial.
Xê... há um ano, tinha eu acabado de chegar a Lisboa, vinda de STP e nem cheguei a fazer um doce para o jantar. Mas hoje tenho tempo para isso e muito mais. Engraçado como, num ano, tanta coisa pode acontecer.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...