sexta-feira, 21 de janeiro de 2005

Desabafo de um homem com coração de manteiga

Diz-me, como se pode gostar tanto de alguém, infinitamente, até à exaustão, como eu gosto de ti? Porque é, por vezes, o amor um investimento pouco rentável, não tendo retorno? Porque será que quanto mais gostamos e nos entregamos, menos somos apreciados? Porque terão os sentimentos de ser um jogo?
Estou farto, cansado de ser um dos teus brinquedos preferidos, um pião que vai rolando ao sabor dos teus desejos. Estou fora, out, indisponível, a partir de agora para os teus anseios, vontades e caprichos. Vai pedir a outro que te escute os lamentos e te aconselhe nas inseguranças. Para ti, saí!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...