quarta-feira, 6 de outubro de 2004

Arrumar gavetas

Arrumar gavetas é difícil, particularmente para quem não se considere muito arrumadinho, por ser uma tarefa de ordenação: de informação; de papéis e post-it, relembrando assuntos pendentes; de objectos vários, uns com significado implícito e outros insignificantes. A preparação para a arrumação das gavetas é também tarefa difícil porque implica predisposição, sob pena de, se a vontade não imperar, deixarmos tudo tão ou mais desarrumado quanto estava antes.
Mas se, no sentido material, arrumar gavetas e fechá-las é difícil, arrumar os sentimentos, com organização, nos cantinhos recônditos da memória é muito mais difícil. Sobretudo se lá quisermos voltar, de quando em vez, para relembrarmos o que vivemos, não deixando as lembranças ganhar pó, mas não permitindo que nos atormentem, ao senti-las fora de sítio.
A tarefa de encerrarmos etapas, arrumarmos a casa e fecharmos as gavetas que ficaram entre-abertas não é de todo fácil. A vontade de lá voltarmos aumenta com o tempo, para espreitarmos o que não ficou resolvido e, que por isso, foi mais difícil arrumarmos e fecharmos. Mas mais tarde ou mais cedo, conseguimos. É apenas uma questão de tempo.
É uma organização difícil, mas seguramente possível, por muito que isso custe. É um exercício de determinada e persistente organização.
Vamos a isso!!!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...