domingo, 26 de setembro de 2004

Kais

Cada vez que vou ao Kais recebo um bálsamo reconfortante para o estômago e para a alma. E os afectos regressam sempre bem alimentados.
O espaço é magnífico - pela altura a que o tecto está em relação à nossa cabeça, pela imensidão do restaurante, pela proximidade do rio, pela música que ali é mesmo ao vivo, pelos empregados que são uma delícia no atendimento e que nos fazem sentir rainhas, pelo bar e a caipirinha, pela comida de uma qualidade inigualável, pelos doces e por tudo, tudo e tudo.
Mas sobretudo pelo ambiente recriado com uma infinidade de velas... sim, lá estou eu com as velas - ideia brilhante, pela luz mas principalmente pela visão que proporcionam, independentemente do lado onde estejamos sentados.
Não me canso de dizer. EXECELENTE, EXCELENTE, EXCELENTE.
Sinto-me como nova!!!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...