sexta-feira, 10 de setembro de 2004

Diz-me...

Diz-me:
Porque é que eu acreditei em ti? Foste tu que me fizeste acreditar ou terei sido eu que quis acreditar em cada palavra, em cada olhar, em cada gesto? Na verdade... tu não prestas, tal como todos os outros de quem sempre me queixei. Apesar dessa aparência doce, terna, educada, segura, confiável... afinal, tu não prestas!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...